Muitos Parabéns, meu ganda божевільний!

portrait1

Pelos vistos, no ano da graça de 2009 tudo faz 200 anos. Até Nikolai Gogol. Quem diria que, mesmo com um penteado quase quase quase à Beatriz Costa, este gajo escrevesse como escrevia. Não acredita? Então veja lá:

Entretanto entristecia-me muito o acontecimento que teria lugar no dia seguinte. Amanhã, às sete horas, ocorrerá um fenómeno estranho: a Terra pousará na Lua. Escreve sobre isso, inclusivamente o famoso químico inglês Wellington. Confesso que me senti preocupado do fundo do coração ao imaginar a extraordinária delicadeza e fragilidade da Lua. É que a Lua se fabrica, normalmente, em Hamburgo, e é de péssima qualidade. Admira-me que a Inglaterra não preste atenção a este facto. O fabricante é um tanoeiro coxo, e vê-se logo que é imbecil, não tem a mínima noção de Lua. Utilizou uma corda alcatroada e uns testos de azeite de lâmpada rançoso; por isso, é terrível o fedor por toda a Terra, é obrigatório tapar o nariz. Daí que a própria Lua seja uma bola tão frágil que as pessoas não podem viver nela, pelo que agora só lá moram narizes. É por esta mesma razão que não podemos ver os nossos próprios narizes, uma vez que estão todos na Lua. Então, imaginando que a substância pesada que é a Terra, ao pousar, seria capaz de moer em pó os nossos narizes, apoderou-se de mim uma inquietação tal que, calçando meias e sapatos, me apressei a ir à sala do Conselho de Estado para dar à polícia a ordem de não deixar que a Terra pousasse na Lua. Os grandes de cabeças rapadas que encontrei na sala do Conselho de estad0 em grande número eram gente muito inteligente e, quando lhes disse: «Senhores, salvemos a Lua porque a Terra quer pousar nela», precipitaram-se todos num ápice para cumprir o meu desejo monárquico e muitos começaram a trepar paredes para apanharem a Lua. Nisto entrou o chanceler-mor. Ao vê-lo, toda a gente se dispersou. Eu, como rei, fiquei sozinho. E o chanceler, para meu espanto, bateu-me com o pau e enxotou-me para o meu quarto. É esta a grande força dos costumes tradicionais em Espanha!

Nikolai Gogol, Diário de um Louco

Escreveu pouco (contos, na sua maioria, peças, ensaios e um romance) e morreu cedo. Todavia, 43 anos de vida repercutirem-se tanto na eternidade literária é raro. Tchekov é bom, Dostoievsky é muito bom, mas Gogol é brilhante. Juro.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s