O THC não mata nem mói.

Parece que está aí à porta mais uma marcha (lenta, com se querem as marchas) pela legalização do consumo de cannabis e, penso eu, de haxixe, de charros, vá. Estão aí à porta também as piadas dos humoristas referindo o estado alterado dos manifestantes e a indignação da populaça genérica, das gentes para quem tudo no seu mundo é quase perfeito e a grande causa dessas imperfeições é um bando de gajos alegres e um leve cheiro a especiarias não identificadas no ar. Porque afinal é este o maior incómodo que um “charrado” pode causar. A verdadeira razão da proibição do consumo deste tipo de estupefacientes é para mim um mistério. É um cisma que ninguém sabe bem como e quando foi criado mas que teima em subsistir como uma barata numa hecatombe nuclear; mesmo depois de cismas muito mais profundos como o aborto voluntário e o casamento de homossexuais terem caído, aquele subsiste e não sei porquê. Não é apenas uma questão de um partido se levantar e propor a alteração da lei na Assembleia da República. A populaça genérica, a turba, é que precisa que lhe expliquem o que verdadeiramente é e o que faz a cannabis. Não vou estar aqui a explicar o benefícios e os malefícios do consumo dessa intrépida planta. Basta dizer que se consome há séculos, seja para fins terapêuticos – lembro-me de uma senhora que foi presa por dar chá de cannabis aos utentes de um lar e eles estavam bem tristes quando lhes disseram que não ia haver mais zurrapa daquela -, quer para fins recreativos, quer para fazer cordas e tecidos. E há menos de 100 anos vá de proibir a dita planta por todo o lado. Diz-se que aliena as pessoas, mas há muito boa gente que nasce já assim e não é por isso que são menos que os outros.

A legalização só traria benefícios para quem consome e para quem não consome. Diz-me o Público que no ano passado a Califórnia arrecadou 1.6 milhões de dólares depois de ter legalizado a supracitada planta. Ora, florescem os agricultores que a podem produzir; floresce o estado que recebe impostos de quem consome; agradecem os consumidores que obtêm assim produto de maior qualidade por um preço livre de especulações e de demasiados intermediários na cadeia de consumo; e desaparecem os traficantes e os passadores que a bem da verdade só são uns chulos da sociedade porque essa mesma sociedade os deixa existir.

Irá sempre haver quem consuma e haverá sempre quem venda. E qualquer estado que proíba um volume de negócios tão grande está a perder dinheiro, fardos e fardos de dinheiro, porque podia ser o topo da cadeia “charrista” e só não o é porque não quer.

Ainda há o argumento, muito engraçado por sinal, de a cannabis ser a porta de entrada para o mundo das drogas duras, aquelas que viciam mesmo a sério e estragam vidas e não sei quê. O problema é que essa discussão já mete questões sociais, culturais e mesmo económicas ao barulho e não estou com paciência para ir por aí. Quem fuma um charro quer relaxar, ou rir, ou divertir-se um pouco; quem dá um chuto de heroína quer morrer. Não vejo como uma coisa poderá levar a outra.

2 pensamentos sobre “O THC não mata nem mói.

  1. A proibição geral começou, salvo erro, no início do século XX, quando a indústria da madeira se viu ameaçada pela produção de cannabis, que iria ser utilizada para fazer papel

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s